O invisível e a inexistência do aparente

No contexto de Satsang, não estamos lidando com a aparência do outro, mas sim com a nossa própria. Você é quem aparenta ser para você? A verdadeira liberdade não é ser livre para fazer o que quiser ou fazer aquisições capitalistas, a verdadeira liberdade é estar livre da aparência que você tem de si, éContinuar lendo “O invisível e a inexistência do aparente”

Os olhos são visíveis ao invisível aos olhos

Proponho, incansavelmente, que veja como o “aparecer” é sólido. Todos tentam, de alguma maneira, aparecer, pois se não aparecer, “você” é ninguém. Exatamente por isso o nosso encontro traz um propósito implícito que não é aparecer, é desaparecer. Você, na sua intimidade, desaparecendo para si mesmo. Tendo pelo menos um vislumbre de que tudo aquiloContinuar lendo “Os olhos são visíveis ao invisível aos olhos”